Assembleia convocada para excluir sócio, sem direito à defesa, é nula, diz TJ-RS

Fonte: Conjur. Acessado em 17/01/2020.

O inciso LV do artigo 5º da Constituição garante a ampla defesa e o contraditório nos litígios administrativos e judiciais. Por isso, é ilegal e abusivo o ato de convocação societária que tem como único objetivo excluir sumariamente um dos sócios sem que este tenha prévio conhecimento das acusações para poder se defender.

A conclusão é da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, ao reformar sentença que julgou improcedente ação anulatória, cumulada com indenizatória, ajuizada por sócia defenestrada ilegalmente do quadro societário de uma clínica de fisioterapia.

Além de anular a reunião da assembleia de sócios que a expulsou “por justa causa”, reintegrando-a à sociedade, o colegiado condenou as três sócias rés a indenizá-la em R$ 15 mil por danos morais como também pagar todo o pró-labore desde a saída dela da sociedade, em abril de 2015, a título de danos materiais.

Para os desembargadores, além da falta de motivos para amparar o edital de assembleia, as sócias demandadas não concederam prazo para que a retirante apresentasse defesa escrita das várias acusações que justificariam, em tese, a sua expulsão. A atitude das sócias, segundo registrou o acórdão, “feriram de morte a higidez da reunião e cobriram de nulidade aquilo que já se evidenciava, desde o início, como uma fraude e um mero artifício para lesar e excluir a autora, sem qualquer direito societário”.

Exclusão justificada, diz a sentença
Segundo os autos, as três sócias acusaram a autora – todas com participação de 25% das cotas na sociedade empresarial – de atuar de forma negligente na sua atividade profissional, colocando em risco a recuperação dos pacientes e a operação da empresa. Para resolver de vez a situação, em 26 de março de 2015, as rés convocaram uma reunião de assembleia para o dia 6 de abril, que deliberou pela exclusão por justa da causa da autora. Sentindo-se injustiçada, a autora foi à Justiça para invalidar o ato e pleitear reparação.

No primeiro grau, a ação não teve acolhida na Vara de Direito Empresarial, Recuperação de Empresas e Falências de Porto Alegre. Para a juíza Giovana Farenzena, o ato administrativo da assembleia foi “perfeito na matéria e na forma”, pois observado o disposto no artigo 1.085 do Código Civil, que prevê exclusão de sócios que põem em risco em risco a continuidade da empresa, em virtude de atos de inegável gravidade. Ou seja, não houve nada de irregular na assembleia, já que a solenidade foi convocada justamente decidir a expulsão da autora por justa causa, como deixa claro o telegrama datado de 26 de março de 2015.

Mais detalhes em Conjur.

Comentários

Sobre a Hasson

A HASSON & ADVOGADOS é tradicionalmente conhecida no ramo de advocacia empresarial, consolidada há mais de trinta anos no mercado jurídico, atuando nas áreas de Direito Trabalhista, Cível, Consumerista, Empresarial, Societário, Internacional, Mediação e Arbitragem, tanto na esfera consultiva como contenciosa.

Mais recentes

Curta nossa página

Fechar Menu